• Lucas Costa

Força do Hábito – Como os hábitos moldam a nossa vida?



("O Poder do Hábito" de Charles Duhigg)

Na vida, cerca de 60% das decisões que tomamos são nossas e as outras 40% são hábitos, nosso dia a dia está repleto de ações geradas automaticamente por hábitos. Dês de tarefas simples como andar, comer, escrever, e até tarefas mais desafiadoras que exigem muita concentração podem ser automatizadas por nosso cérebro e assim entrar em modo automático.






Escovar os dentes.

Um bom exemplo que o livro (O Poder do Hábito) dá é o de escovar os dentes, nos anos 1900 já existiam pastas de dentes, mas a maioria da população norte americana não as utilizava, nesse período estima-se que apenas 7% de toda a população escovava os dentes.


Era comum que as pessoas ficassem com dentes amarelados. É aí que entrou a empresa Pepsodent, para mudar o jogo, eles começaram a mostrar que dentes mais brancos eram mais bonitos e mais higiênicos. Para completar, adicionaram um ingrediente que não tinha nenhuma eficácia na limpeza em si, esse aditivo servia para dar uma sensação de frescor ao final da escovação. E assim criando a sensação de limpeza.

Em dez anos o índice de pessoas adeptas a escovação passou de míseros 7% para 65%. Isso foi um grande marco para a história e nos afeta até os dias atuais, com um hábito de higiene tão importante.

Mas... O que aconteceu?

A Pepsodent trabalhou em cima de um mecanismo do nosso cérebro, chamado de "Loop do Hábito", onde nós temos uma deixa/gatilho, uma rotina e pôr fim a recompensa.

(imagem Loop de Hábitos)

Para criar o hábito de escovar os dentes, os dentes amarelados (comuns e normais para a época), passaram a ser vistos como um problema, criando assim um gatilho, para resolver esse problema, a escovação passou a ser vista como uma solução, e a sensação de limpeza causada pelo frescor da pasta de dente era a recompensa. Anos depois, para reforçar o hábito, foi adicionado químicos que não ajudavam na limpeza em si, mas criavam a sensação de ação da pasta de dentes, esses ingredientes fazem com que surja a espuma durante o processo. E assim, reforça o hábito ainda mais.

A empresa Pesodent, foi a líder de mercado por muitos anos e entender como criar um hábito fez toda a diferença para esse sucesso.

Como entender os hábitos nos ajuda?

O "Loop do Hábito" está presente em tudo, cada atividade que fazemos quando nova, se apresenta diante de nós como um verdadeiro desafio, porém com o passar do tempo e a cada vez que domamos uma decisão, ela vai ficando mais fácil e mais "automática" na sua execução. Esse processo é vital para que o nosso cérebro não se esgote, desempenhando uma atividade.

O problema é que essa função cerebral, por mais que benéfica em certo ponto, não consegue distinguir hábitos positivos de hábitos negativos. Por isso é importante conhecer como esse processo funciona e agir caso estejamos tomando um caminho errado.

Deixas/Gatilhos

Pode ser entendido como um gatilho, uma pessoa, lembranças, emoções, sensações, situações e até mesmo lugares. Tudo o que nos impulsiona para uma rotina pode ser entendido como uma deixa.



Rotina

Como um sistema programável, nosso cérebro recebe o comando "START", e inicia uma série de ações, positivas ou negativas a partir do gatilho, como por exemplo alguém que se sinta nervoso ou ansioso, e come um chocolate.


A deixa foi a emoção, que desencadeou a rotina de comer um chocolate.



Recompensa

A sensação ao final do loop, faz o processo de reforçar positivamente que a ação tomada foi boa e trouxe uma sensação de conforto, alívio e de felicidade. O exemplo que citei acima, pode desencadear a sensação de bem estar. E assim a cada vez que o gatilho é ativado, a rotina entra em ação e você recebe a recompensa. O seu hábito fica mais enraizado e mais fácil de ser despertado novamente.

Hábitos negativos


Entendendo quais são os seus gatilhos, suas rotinas e qual a sua recompensa durante um hábito. Fará você perceber como o seu hábito negativo funciona e assim você pode agir e mudar. A tarefa é desafiadora e demanda muito esforço e determinação, pois depois de um hábito estar formado ele continuará existindo para sempre, esperando apenas o gatilho para dar início a rotina.


Para que ocorra a mudança, entender que a deixa e a recompensa estão ligados é importante para que você identifique qual o passo a seguir.


Um bom exemplo disso é na hora de criar um hábito relacionado a exercícios físicos. Focar na rotina de ir se exercitar não ajudará muito e tornará o processo muito mais penoso.


Criar uma deixa, seja um horário, uma situação como chegar do trabalho. Pensar em uma recompensa ao final, a sensação de dever cumprido, as calorias perdidas, aquele "chocolatinho" tão esperado pode ser uma boa forma.


Para a mudança de um hábito, identificar ao identificar a deixa, o próximo passo é a mudança da rotina para uma com recompensas tão prazerosas quanto as da rotina anterior.

Mas essa mudança não será fácil e que não existe mágica para resolver esse problema, em diversas situações profissionais da saúde mental são a melhor forma para te ajudar nesse a entender e a resolver essa questão, e no final de tudo a mudança precisa partir de você.

Hábitos angulares

Existem hábitos positivos que dão início e favorecem o surgimento de outros hábitos positivos, (o exemplo disso é citado no livro) hábitos de exercícios regulares, podem desencadear outros hábitos saldáveis, fazendo com que as pessoas mudem a sua alimentação, parem de fumar, passem a ser mais calmas e pacientes e se tornem mais propensas a ter sucesso em outras áreas da vida. Isso acontece porque cada pequena vitória, por mais insignificante que possa parecer, nos impulsiona para novas metas e objetivos tornando-os mais fáceis de serem alcançados.



William H. Mcraven, Almirante aposentado da Marinha dos EUA, escreveu um livro baseado nas suas experiências, e em uma frase ele diz:

"Se você quer mudar o mundo, comece arrumando a sua cama."

O que tem a ver o hábito de arrumar a cama com os hábitos angulares? Tem tudo a ver, o hábito de arrumar a cama dá início a primeira tarefa completa no dia, por tanto a primeira vitória do dia foi conquistada. Logo, o ciclo de busca por mais vitórias pequenas começa e assim. Você se torna mais propenso a hábitos positivos.





Mas, se tudo der errado, se o dia for improdutivo, e nem uma outra tarefa foi cumprida. Você terá a sua cama arrumada por você te esperando. E após esse dia ruim, deitar-se na cama arrumada fará toda a diferença, pois a sua motivação não irá acabar.

Entender como funcionam nossos hábitos, pode transformar as nossas vidas, mudando hábitos nocivos para hábitos mais saudáveis e positivos, abrimos as portas para uma vida melhor e mais feliz. Não se esqueça de procurar ajuda de um profissional de saúde emocional, quando a situação não estiver favorável, pois ele vai te ajudar a encontrar seu caminho se você não conseguir sozinho.

Referências: DUHIGG, Charles. O Poder do Hábito: por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios. São Paulo - SP: Objetiva, 2012.

MCRAVEN, William H.. Arrume a sua cama. São Paulo - SP: Academia, 2017.

7 visualizações

©2020 por Media Coast.